14/01/2007 "O Jogo" Luís Filipe Vieira volta a defender a inocência de Nuno Assis
"O secretário de Estado não se vai ficar a rir"

O presidente insurge-se ainda contra Vicente Moura, líder do COP

ANA PROENÇA


Luís Filipe Vieira está longe de dar o "caso Nuno Assis" por encerrado. O presidente encarnado fez ontem novas acusações aos responsáveis governativos pela pasta do desporto, fazendo referência a relatórios do Instituto do Desporto de Portugal (IDP) que dão conta, segundo o presidente, de “um falso médico” que exerceu no Laboratório de Análises Antidopagem. As palavras de Luís Filipe Vieira foram proferidas na Junta de Freguesia de Gândaras, perante mais de uma centena e meia de adeptos, entre os quais estava a família de Nuno Assis, natural da terra.

“Temos tido uma luta árdua para provar a inocência de Nuno Assis, mas garanto que o secretário de Estado não se vai ficar a rir do Benfica”, começou por dizer. “Quem ler os relatórios do Instituto do Desporto de Portugal [IDP] de 2003 e 2004, nomeadamente o que diz sobre a recolha de análises, irá entender o que se passou com Nuno Assis e porque ele continua a sofrer. Esses relatórios dão razão ao que temos defendido sobre o Nuno Assis”, declarou. “E estamos em 2007 e não há ainda o relatório do IDP de 2005. Continuamos à espera”, acrescentou.

“Nuno Assis está a pagar uma factura de alguém que foi incompetente e que não conseguiu olhar pela sua casa”, declarou, referindo-se ao secretário de Estado da Juventude e do Desporto, Laurentino Dias. Luís Filipe Vieira dirigiu ainda críticas a Vicente Moura, presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP). “Sei que atacar o Benfica dá notoriedade a muita gente. O presidente do COP também apareceu a condenar o Nuno Assis, mas não conseguiu reparar que houve um falso médico a trabalhar no Laboratório de Análises Antidopagem durante seis meses”, defendeu, fazendo mais uma vez referência aos relatórios elaborados pelo IDP.

“Em Outubro ou Novembro, será positivo fazer uma auditoria ao que se passa no laboratório. O Benfica não pára. Não perseguimos ninguém, mas procuramos a verdade, só a verdade”, concluiu.