Nacional  
CLUBE DESPORTIVO NACIONAL
Fundação
1910
Cidade
Funchal
Presidente
Rui Alves
Treinador
Casimiro Mior
Estádio
Eng.º Rui Alves







 

Apesar da sua longa existência, a equipa sensação da edição da SuperLiga Galp Energia 2003/2004, só marcou a sua presença por duas vezes no principal escalão do futebol nacional.



Desde o início do clube em 1910, o seu nome sofreu duas variações, primeiro designou-se Nacional Sport Grupo e posteriormente, Grupo Desportivo Nacional até que, em 1922, foi oficializada a sua denominação actual, Clube Desportivo Nacional

O seu surgimento deve-se ao desejo de algumas pessoas do Funchal em terem uma equipa onde pudessem jogar futebol, que na altura era somente praticado pela comunidade britânica presente no arquipélago.

O Nacional foi o primeiro clube da Região Autónoma da Madeira a criar o escalão de infantis nas suas camadas jovens, decorria o ano de 1923.

A formação funchalense participou sempre em campeonatos distritais até ao ano de 1975, data em que sobe pela primeira vez à III divisão nacional.

O seu percurso ascendente continua e em 1989, marca o seu ingresso pela primeira vez no escalão principal do futebol português, com o treinador Paulo Autuori.

Na época seguinte, descem à segunda divisão, e após 11 anos de permanência no segundo escalão, regressam ao primeiro nível do futebol nacional na temporada de 2002/2003, sob a orientação do técnico José Peseiro.

Em 1997, os sócios do clube resistiram à proposta do presidente da Região Autónoma da Madeira, Alberto João Jardim, que pretendia fundir as três principais equipas da Madeira, Marítimo, Nacional e União da Madeira, num só único clube.

Pela equipa da Madeira actuaram alguns dos jogadores mais conhecidos do futebol português tal como Oceano, que representou o Sporting e Costinha, (actualmente no FC Porto), que no final da temporada de 1996/1997, se transferiu da equipa madeirense para o Mónaco.

O maior valor futebolístico proveniente das escolas de formação do clube da Madeira foi o avançado Cristiano Ronaldo, que actuou no seu escalão de infantis, nas épocas de 1995/96 e 1996/97, antes de se transferir para o Sporting.

O Nacional jogou durante muitos anos no Estádio dos Barreiros, construído em 1927, que mais tarde passou a pertencer ao Governo Regional da Madeira.

Ao fim de vários anos sem um local próprio para encontros, o clube funchalense inaugurou o seu próprio recinto de jogos, com o nome de Estádio Eng. Rui Alves, o seu actual presidente e que tem uma capacidade para 3 000 pessoas.

Actualmente, o Nacional tem um total de 7 000 sócios.