F. C. Porto  
FUTEBOL CLUBE DO PORTO
Fundação
1893
Cidade
Porto
Presidente
Jorge Nuno Pinto da Costa
Treinador
Victor Fernandez
Estádio
do Dragão





 

O FC Porto tem sido, nos últimos 22 anos, a equipa portuguesa que mais troféus tem alcançado, desde que o seu actual presidente, Pinto da Costa, assumiu a sua liderança, em 1982. A história dos dragões ficará marcada para sempre pela conquista da Taça dos Campeões Europeus, em 1987 e da Liga dos Campeões, em 2004.



O FC Porto foi fundado em 1893 por António Nicolau de Almeida, um aristocrata e comerciante do vinho do Porto, que numa viagem efectuada a Inglaterra ficou atraído pelo futebol, que estava a cativar novos adeptos e decidiu criar um clube de futebol na cidade do Porto.

Igualmente por influência britânica, o primeiro nome escolhido para o clube foi Football Club do Porto, que viria ser alterado em 1907, na direcção do segundo presidente da equipa, José Monteiro da Costa.

As cores, azul e branca do equipamento do FC Porto, foram escolhidas por associação às cores da bandeira da Monarquia, uma vez que os seus elementos fundadores eram pessoas adeptas do sistema monárquico.

A formação portista foi a primeira equipa nacional a vencer a primeira edição do Campeonato de Portugal, na temporada de 1921/22.

Nas duas últimas duas décadas, os azuis e brancos conseguiram ultrapassar o Sporting em Campeonatos Nacionais de futebol conquistados, com 19 títulos. O número de adeptos portistas aumentou e actualmente o FC Porto conta com 75 000 sócios.

No entanto, nem tudo foram rosas na história do clube, que atravessou dois longos períodos sem conquistar nenhum título, o primeiro foi de 1940 a 1956 e o segundo de 1959 a 1978.

A viragem do futebol dos azuis e brancos aconteceu em 1978 com o treinador José Maria Pedroto, que conseguiu levar a equipa à vitória do Campeonato, após 19 anos de interregno.

Em 1984, o FC Porto atinge a sua primeira final europeia, ao defrontar a Juventus em Basileia, onde foi derrotado por um resultado de 2-1, com um golo apontado pelo médio António Sousa.

O primeiro grande momento da história da formação azul e branca viria a acontecer em 1987 na célebre final de Viena, na qual sob a orientação do treinador Artur Jorge venceu a Taça dos Campeões Europeus, derrotando o Bayern de Munique por 2-1, em Viena.

Em 1988, orientados pelo técnico Tomislav Ivic, os dragões conquistam a Taça Intercontinental, vencendo em Tóquio o Peñarol de Montevideu, do Uruguai.

Em 2003, com o treinador José Mourinho, a equipa portista volta a alcançar um momento histórico desta vez em Sevilha, ao conquistar a Taça UEFA ao Celtic de Glasgow da Escócia com uma vitória por 3-2.

A 26 de Maio de 2004, novamente sob a orientação de José Mourinho, o FC Porto alcança a segunda vitória mais importante da sua história, ao conquistar a Liga dos Campeões ao Mónaco em Gelsenkirchen, na Alemanha, por um resultado de 3-0.

Apesar dos inúmeros bons jogadores que têm passado pela equipa portista nas últimas duas décadas, tal como Fernando Gomes, Rabath Madjer e Futre nos anos 80 e mais recentemente os brasileiros Mário Jardel, Deco e Ricardo Carvalho, a maior figura do clube tem sido o seu presidente.

Pinto da Costa, controverso para muitos, conseguiu implementar uma filosofia de organização baseada na aquisição de jogadores a um baixo preço e que se têm enquadrado no espírito do clube, o que permitiu levar os dragões à conquista de quase todos os títulos que poderiam ter alcançado.

Desde a sua fundação, o FC Porto actuou em cinco recintos diferentes: Entre 1906 e 1912, no Campo da Raínha, que foi o primeiro campo relvado de Portugal e de 1912 a 1952, no Campo da Constituição.

Nos anos 30, devido à incapacidade do Campo da Constituição em receber encontros com grandes assistências, a formação azul e branca teve de jogar nos emprestados Campo do Lima e no Campo do Ameal. Em 1954, o FC Porto inaugurou o Estádio das Antas, onde actuou até 2003.

No seguimento da realização do EURO 2004, o clube construiu o novo espaço para a prática de jogos com o nome de Estádio do Dragão, concebido pelo arquitecto Manuel Salgado, que vai receber a primeira partida e um dos encontros das meias-finais do Campeonato da Europa.

A capacidade do Estádio do Dragão é de 52 000 lugares.